Comunidade escolar festeja saberes e diversidade NA DANÇA!

Emocionada, Anna Cecília Koebcke de Magalhães Couto Simões, agradeceu aos “chegantes” –artistas e professores vindos de Angola, Moçambique, Líbano e Egito que vieram contar suas histórias e ensinar suas danças na EMEF Desembargador Amorim Lima, em São Paulo.

Supervisora de ensino e professora da escola, Anna usou a expressão para não reforçar o estigma que vem junto com a palavra refugiados, como foi dito, na apresentação da atividade, por Betty Gervitz, criadora da plataforma NA DANÇA!

Reunindo artistas que chegaram ao Brasil nos recentes ciclos migratórios, a plataforma cria novas redes e conexões entre estes bailarinos e professores e a população da cidade –artistas profissionais, amantes da dança, alunos de escolas públicas, programadores de dança.

A ida à Amorim Lima, uma das escolas públicas mais inovadoras de São Paulo, faz parte de um dos ramos da plataforma, ligado à educação e às comunidades escolares.

No sábado, 28/7, à tarde, alunos, professores e amigos da Amorim Lima se reuniram na quadra da escola para ouvir as histórias de vida de Ines Queme (Moçambique), Ermi Panzo (Angola), Mohammad Al Jamal (Líbano) e Hamada Nayel (Egito).

Eles falaram sobre a vida nas aldeias e as tradições seculares, as migrações para as cidades grandes e para outros países, a guerra e as apresentações profissionais em universidades e festivais internacionais.

Diversidades de histórias, reunidas NA DANÇA! E depois, vividas no corpo de adultos e crianças. Cada artista, ensinou e dançou com o público pequenas coreografias de danças tradicionais de seus países. Todo mundo, mesmo, entrou na roda.

“Eles são incríveis, fazem as pessoas pegarem fogo”, diz Ana Elisa Siqueira, diretora da Amorim Lima.

Um fogo que, ali, certamente vai continuar esquentando corações e mentes. Com todas as falas, incluindo uma poesia declamada por Ermi, registradas em vídeo por uma professora, a ideia agora é transformar em conteúdo de aulas a fagulha acesa NA DANÇA!