Festival

O Festival NA DANÇA! é realizado no mês de setembro, em São Paulo. São três dias de aulas e festas conduzidas por bailarinos e músicos que chegaram ao Brasil nos recentes fluxos migratórios, descendentes dos  imigrantes que formam o caldo populacional do país e artistas que pesquisam danças e músicas do mundo. Veja a seguir a programação das últimas edições do festival

2º FESTIVAL NA DANÇA! 22 a 23 de setembro de 2018

SEXTA, 21/9, 20H30– FESTA AFRICANA-BRASILEIRA com os dançarinos Ermi Panzo (Angola), Ibrahima Sarr (Senegal) Fabio del Rio (Brasil – hip hop), Vitor da Trindade (Brasil- danças afro-brasileiras) e os músicos Marcelo Pretto (Brasil – voz), Leonardo Matumona (Congo- voz), Guilherme Kafé (Brasil – baixo elétrico), Gabriel Levy (Brasil – Acordeom),  e, percussões, Edoh Amassize (Togo) Birima Mbaye, Moustapha Diene, Aziz Mbaye (Senegal) e Andre Piruka (Brasil)

SÁBADO, 22/9, das 10h ás 20h30 – Aulas de 1h15’ e “pílulas” (mini-aula e apresentação) de 30’

10h aula de DANÇAS EGÍPCIAS com Hamada Nayel e pílula de CUECA CHILENA com Alini Benzatti e Javier Riquelme

11h45 aula de DANÇAS GALEGAS com Isabely Daparte e pílula de HIP-HOP com Fabio del Rio

14h30 aula de DANÇAS ANGOLANAS com Ermi Panzo e pílula de DANÇAS AFRO-BRASILEIRAS com Vitor Trindade

16h15 aula de DANÇAS COLOMBIANAS com Margarita Maria Milagros e pílula do grupo TAMBORES VERMELHOS DE OKINAWA

18H30 – FESTA HISPANO-ÁRABE com os dançarinos Fádua Chuffi (dança beduína), Hamada Nayel (Egito) Mohammad Al Jamal (Líbano), Isabely Daparte (danças galegas) e os músicos Sandro Henrique Bueno (gaita de fole), Gabriel Levy, Mario Aphonso III, Jihad Smaihli e Douglas Felis

DOMINGO, 23/9, das 10h às 15h – Aulas de 1h15’ e pílulas” (mini-aula e apresentação) de 30’

10h ALONGAMENTO com Betty Gervitz e aula de DANÇAS SENEGALESAS com Ibrahima Sarr

11h45 aula de DANÇAS JAPONESAS com Lili Mizumoto e pílula de CATIRA com o grupo Du Catira

13h30 – aula de DANÇAS DE RODA da Europa central e oriental com Betty Gervitz, a cantora Vesna Bankovic e os músicos Gabriel Levy, Douglas Felis, Mario Aphonso III e pílula de TANOURA (GIRO EGÍPCIO) por Hamada Nayel

Como tudo começou

O primeiro Festival NA DANÇA!, em 2017, foi o ponto de partida para a plataforma que reúne professores e artistas imigrantes e brasileiros para ensinar e apresentar danças e músicas de diferentes lugares do mundo.

Foi realizado em setembro, no início da primavera, no Palacete Tereza Toledo Lara / Casa de Francisca.

Na abertura, na sexta, 22, a sala de dança Aqui Ali do palacete, enfeitada com as flores decorativas criadas por Carlos Moreno e Mira Haar, lotou com os amadores/amantes da dança rodopiando ao som do grupo Mawaka. Artistas-professores colocaram o público na roda das danças do mundo: o Japão com Cíntia Kawahara, a Espanha com Deborah Nefussi, a Bulgária com Mariana Paunova, a Índia com Sonia Galvao e a “nação cigana” com Betty Gervitz. a criadora do festival. Os corpos aquecidos seguiram para o show do Gabo Leve Gabriel Levy (coordenador musical do Na Dança!) e grupo, com participação especial das cantoras Fortuna Safdie e Oula Al-Saghir (da Palestina).
O sábado, 23, começou cedo, com as aulas dos novos imigrantes, artistas do mundo que chegaram há pouco ao Brasil. Os convidados trouxeram de presente aos participantes o dabke e as danças tradicionais do Líbano, ensinadas por Mohammad Al Jamal, o folclore da Bolívia, com a professora Raissa Oblitas, a dança “marabenta” de Moçambique, com Ines Queme.
A programação do dia foi iniciada às 10h, com rodas dos Bálcãs conduzidas por Betty Gervitz, iluminadas pela voz deslumbrante da cantora Vesna Bankovic e o acordeão matador de Gabriel Levy. A “pausa em movimento” do almoço, na Casa de Francisca, foi ao som da Orkestra Bandida.
Dez horas depois, ainda se dançava, com o Mutrib Músicas Dos Balcãs  dando as deixas para os professores Mario Jadran (Croácia), Paulo Sertek e Selma De Oliveira Sertek (Grécia), além da ciganagem da Betty Gervitz. E as artes do mundo continuaram dando as caras na Casa de Francisca, ao som da orquestra Mundana Refugi, com Carlinhos Antunes e convidados.
O longo fim de semana na dança foi encerrado no domingo, 24, com a aula da dança balinesa rejang, ensinada por André Trindade e Sonia Galvão, e pela apresentação Sangam na Dança.
Sangam significa confluência de rios, e, na sala Aqui Ali do Palacete Tereza Toledo Lara, ao lado da praça da Sé, os movimentos das danças japonesas de Cintia Kawahara, espanholas de Deborah Nefussi e indianas de Sonia Galvão confluíram com a voz de André Trindade e o violão de Thomas Howard.
Para finalizar, tinha que ser uma roda, porque esta não tem um lugar em que acaba, é circular e deixa circulando ideias que não cabem em um fim de semana e se propagam NA DANÇA!

FICHA TÉCNICA – FESTIVAL NA DANÇA! 2017

Concepção Geral: Betty Gervitz

Coordenação Musical: Gabriel Levy

PROFESSORES:

Betty Gervitz 

Cíntia Kawahara – Japão

Deborah Nefussi – Espanha

Ermi Panzo – Angola – Cuba

Ines Queme – Moçambique

Mariana Paunova – Bulgária

Mario Jadran – Croácia

Mohammad Al Jamal – Líbano

Paulo Sertek – Grécia

Raissa Oblitas – Bolivia

Selma Sertek – Grécia

Sonia Galvão – India

GRUPOS MUSICAIS:

MAWACA

Ana Eliza Colomar – violoncelo, flauta, sax alto

Angélica Leutwiler – canto

Armando Tibério – percussão

Cris Miguel – canto

Gabriel Levy – acordeon

Magda Pucci – canto

Ramiro Marques – sax soprano e sax tenor

Ricardo Zoyo – contrabaixo acústico

Rita Braga – canto

Sandra Oakh – canto

Thomas Howard – violão

Valéria Zeidan – percussão

Zuzu Leiva – canto

GABRIEL LEVY e grupo

Carlinhos Antunes – viola e violão

Gabriel Levy – acordeon e piano

Marcus Simon – bateria

Mario Aphonso III – ney, ­sax tenor e soprano 

Roberto Angerosa – percussões

Rogerio Boter Maio – baixo elétrico

Thomas Howard – violão e cavaquinho

Toninho Carrasqueira – flauta e flautim

Participação especial:

Fortuna – canto 

Oula Al Saghir (Palestina/Síria) – canto

Regina Machado – textos

ORKESTRA BANDIDA

Mario Aphonso III – clarinete 

Ian Nain – alaúde, cumbus 

Felipe Gomide – rabeca 

Francisco Lobo – derbake 

Bruno Duarte – davul, riqq 

Nathanael Sousa – sanfona 

Eliezer Tristão – souzafone

MUTRIB 

Eder Rocha – dawul

Eliezer Tristão – souzafone

Francis Mehmet – derbak 

Gabriel Levy – acordeon

Mario Aphonso III – flauta e saxofone 

Valéria Zeidan – percussão

Participação especial:

Vesna Bankovic – Servia

ORQUESTRA MUNDANA REFUGI

Abul Sissé – percussão (Guiné)

Arash Azadeh – kemanche (Irã)

Beto Angerosa – percussão

Carlinhos Antunes – cordas 

Claudio Kairouz – kanun 

Daniel Muller – acordeon 

Danilo Penteado – piano 

Hidras Atuala – voz (Congo)

Junior – voz (Haiti)

Leonardo Matumona – voz (Congo)

Luis Cabrera – sopros 

Mah Mooni – voz (Irã)

Maiara Moraes – flautas 

Mariama Camara – voz (Guiné)

Mathilde Fillat – violino (França)

Nelson Lin – cítara de martelo

Oula Al Saghir – voz (Palestina) 

Paula Mihran – voz 

Pedro Ito – bateria 

Rui Barossi – baixo acústico 

Yousef Saif – bouzouki (Palestina)

MÚSICA LATINA

André Trindade – canto

Thomas Howard – violão

FLORES DECORATIVAS 

Carlos Moreno

Mira Haar

DESIGN GRÁFICO

Claudio Alegre

ADM. E BILHETERIA

Eliane L. Chleba

COMIDINHAS BALCÃNICAS

Vesna Bankovic

Katia Gavranich Camargo